Visitem-nos também em: Só-Newz.blogspot.pt [Actualização Diária]

25/04/13

25 de Abril 1974 Vs 11 de Novembro 1975

Comovido com esta data e pela relação existente com a independência de Angola, decidi por mãos a obra e realçar alguns pontos cruciais desta data com a do 11/Novembro/75

25 de Abril também conhecido como dia da liberdade ou Revolução dos Cravos é o nome atribuído ao golpe de estado militar que pôs fim ao regime ditatorial herdado de Oliveira Salazar e aos factos históricos, políticos e sociais que os mantivera atados, até à aprovação da Constituição, em Abril de 1976. Estado novo era proveniente do fascismo, consistia em controlo absoluto das margens nacionais através de um único partido politico a par da PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), este partido foi liderado por Oliveira Salazar até 1968 data em que foi dado como certo a sua incapacidade, por sua vez viria mais tarde a ser por Marcelo Caetano, levando Portugal ao referido 25 de Abril.

Portugal e as Colónias
Portugal mantinha laços fortes e duradouros com as suas colónias africanas, quer a nível de mercado para os quer como produtoras de matérias primas para a indústria portuguesa. era visível a existência de um império colonial que estabelecia fins necessários para obter poder e influência contínuos. uma ideia bloqueada pelo contexto político e os interesses estratégicos de certas potências estrangeiras, além da guerra colonial.

Um golpe caído do céu


O 25 de Abril surpreendeu tudo e todos em Angola. Luanda vivia a vida cosmopolita de uma capital colonial, e só uma meia-dúzia de dias depois, em princípios de Maio, no Zaire e na Zâmbia, os movimentos de libertação reagem ao golpe militar em Portugal, com proclamações de continuação da luta até à independência total. Ironicamente, o golpe em Portugal haveria de conceder-lhes um protagonismo que estavam longe de ter conquistado.
Apanhado de Surpresa


A 25 de Abril de 1974, Agostinho Neto encontrava-se no Canadá, mantendo contactos com a companhia petrolífera norte-americana Gulf Oil, em busca de apoio ocidental para o MPLA. Não hesitou em classificar o golpe em Portugal como um ajuste de contas entre facções do regime.


Ambiguidade em Lisboa


De Portugal, a Junta de Salvação Nacional ordenara o regresso do então governador de Angola, Santos e Castro, e nomeara em seu lugar o então tenente-coronel Soares Carneiro.
Da prisão de Luanda são libertados 85 presos políticos, e da de São Nicolau, em Moçâmedes, 1.200. A PIDE é formalmente extinta, mas os agentes integrados num novo serviço de informações, o Comando da Polícia de Informação Militar.
O general Costa Gomes chega na primeira semana de Maio a Luanda, e afirma em conferência de imprensa que o combate contra os movimentos de libertação continua, até que estes deponham as armas e aceitem uma solução política. "Nenhuma província, nenhum grupo, nenhuma raça, teve permissão para impor uma solução que não tenha passado pelo crivo de um teste democrático".


Três dias após o 25 de Abril, o general Spínola já fazia questão de separar as águas entre autodeterminação e independência: a autodeterminação é o direito de um povo livremente escolher o seu destino, a independência imediata a aceitação duma vontade que não seria a desse povo.
Mário Soares, recém-regressado do exílio e já de viagem a Bona, considera "importantes" as palavras do general, mas quando lhe perguntam se é favor de uma federação ou da independência, responde: "Sou abertamente pela independência, e, na minha opinião e na do meu partido, é necessário negociar urgentemente com os movimentos de libertação".
Ao tomar o lugar de que o almirante Tomás fora apeado, duas semanas depois, a 15 de Maio, Spínola sai a rua e berra pelo fim da guerra colonial e a independência imediata para as colónias: "Os nossos esforços centrar-se-ão no restabelecimento da paz no Ultramar, mas o destino do Ultramar Português terá de ser decidido por todos os que àquela terra chamaram sua".
O Ultimo dia


Na tarde do dia 10 de Novembro de 1975, a bandeira portuguesa foi pela última vez arreada no Palácio do Governo e na fortaleza, dobrada e redobrada. O alto-comissário, almirante Leonel Cardoso, ao qual coube a ingrata tarefa, proclamara horas antes a independência de Angola.
Quatrocentos e noventa e dois anos depois das naus portuguesas ali terem largado ferros, o último representante da soberania portuguesa abandonava a jóia do ex-Império, e partia, "sem cerimonial, mas de cara levantada", rumo à base naval da ilha de Luanda.
Ao largo, na baía já abandonada por barcos carregados até à borda de multidões e contentores, a fragata "Roberto Ivens" escoltava o "Uíge" e o "Niassa", com as máquinas prontas para, pela última vez, zarparem para Lisboa. Uma semana antes, a cidade branca acabara de esvaziar-se. A ponte aérea, organizada com o apoio de países estrangeiros, retirara de Angola, no meio de indescritíveis cenas de pânico e confusão, quase meio milhão de portugueses. As estátuas dos imortais portugueses jaziam apeadas, no sítio havia só os pedestais, já pintados com o vermelho-negro do MPLA.
Para trás ficara a companhia de pára-quedistas, o almirante e uma meia-dúzia de funcionários que agora, no meio de grande e inútil aparato militar, se dirigiam para o porto.
Polícias angolanos, de farda azul, ganharam de imediato as posições desocupadas. Às janelas do palácio, alguns criados negros assistiram à saída de blindados e "Berliets".
Na baixa luandense, nem isso. Cortadas por fuzileiros, as ruas estavam desertas.

O Adeus Português


No imponente Salão Nobre do Palácio, o alto-comissário fizera de manhã, perante um batalhão de jornalistas, um breve deve e haver daqueles meses de brasa.
"E assim Portugal entrega Angola aos angolanos, depois de quase 500 anos de presença, durante os quais se foram cimentando amizades e caldeando culturas, com ingredientes que nada poderá destruir. Os homens desaparecem, mas a obra fica. Portugal parte sem sentimentos de culpa e sem ter de que se envergonhar. Deixa um país que está na vanguarda dos estados africanos, deixa um país de que se orgulha e de que todos os angolanos podem orgulhar-se".

2 comentários:

Anónimo disse...

Young B papoite, grande artigo, acabei por aprender muitos mambos, grato pela postagens e continua smpre enriquecendo o pessoal com Cultura Musical e Historial. Um halla 2 u ma niGGa

Assinado: Lil Rover The BoSs

novidades disse...

ehhhh, obrigado pelo apoio mano...sabes como é.

Enviar um comentário